E como é que vai?

A pé - É minha forma preferida de me deslocar em qualquer lugar que eu vou. Aqui mais ainda. Porque, assim, eu consigo olhar a arquitetura bonita dessa cidade, entrar num beco que apareceu do nada e parar pra tomar um sorvete quando me dá na telha. O fato da cidade ser pequena também ajuda. E, além disso tudo, existem alguns lugares aqui em que é praticamente impossível chegar sem ser com os próprios pés. Eu tenho pra mim que só se conhece de verdade uma cidade quando se anda por ela. Mas tem que preparar as perninhas porque são muitas ladeiras pra subir! Ah, e quando você vir uma plaquinha escrita "passagem para peões" é com você mesmo, pedestre, que ela está falando.

Metrô (ou metro, assim sem acento) - Talvez porque não exista metrô na cidade em que eu morava. Talvez porque o metrô da cidade ao lado tenha linhas paralelas e pouco eficientes. Talvez porque as estações são quase todas lindas e temáticas e é sempre fresquinho lá embaixo. Talvez por tudo isso eu adore andar de metrô por aqui. O metrô vai até o aeroporto, o que também é bem legal pra quem tá chegando ou deixando a cidade, pois pode ser uma opção mais confortável que o ônibus (por conta das malas) e menos custosa que o taxi.

Ônibus (ou autocarro) - Quando a gente vai pra algum lugar onde o metrô não chega ou demoraria pra chegar, usamos o ônibus e pra isso consultamos o site da Carris. Lá tem todas as linhas e horários em que os ônibus passam, o que faz com que não esperemos quase nada no ponto (ou paragem). Mas, quando a gente não consulta a internet, chegamos no ponto e olhamos pra placa eletrônica que tem lá, onde constam os números dos ônibus que param ali e quanto tempo eles vão demorar pra chegar, sendo atualizada constantemente. Pra mim aquilo acontece por mágica. Mas Leandro me explicou que os ônibus devem ter aparelhinhos de GPS que fazem funcionar esse sistema.

Bonde (ou elétrico) - É o jeito mais lindo de chegar de um lugar a outro. Sem contar que ele é extremamente fotogênico. Quando estiver por aqui, repare. Quando o bonde passa, é um tal de todo mundo em volta sacar câmera, celular e afins. Um passeio no 28 é uma forma muito interessante de fazer um reconhecimento da cidade e ficar impressionado com a capacidade dele de passear em ruas estreitíssimas. Mas cuidado com sua carteira e com quem pode estar interessado nela enquanto você aprecia o cenário pela janela.

Tram - É a versão mais moderna e menos fofa do bonde. Super eficiente e não tem uma vez que eu entre nele e não me pergunte porque isso não existe em Niterói e no Rio. A resposta vem sempre em seguida, mas aqui a gente só vai falar de coisa boa.

Elevador - Com tanta ladeira alguém tinha que inventar algo que ajudasse. O formato é igualzinho ao do bonde e encontrar com algum deles é um grande alívio quando você olha aquele lugarzinho láááá em cima que você queria tanto ir. 

Taxi - Não é caro e, como as distâncias também não são muito grandes, acaba que, muitas vezes, vale muito a pena utilizá-lo, principalmente quando se está viajando em grupo ou com crianças, por conta da praticidade e maior aproveitamento do tempo.

Moto (ou mota. hahaha) - Não se vê muitas motos e scooters rodando pela cidade, mas é um ótimo meio pra deslocamentos de pequena distância dentro e ao redor de Lisboa, principalmente no verão, quando é raro chover. A grande vantagem é que não se perde tempo procurando (e não encontrando) vagas em estacionamentos. Alugamos essa bonitinha aí do lado na Scooter Solution.

Carro - O meio mais confortável e barato pra visitar e conhecer as cidades que ficam perto ou longe de Lisboa. Fora de temporada, o aluguel é bem barato e como o país é pequeno, dá pra conhecer tudinho de carro. Algumas opções de locadoras são Guerin, Eurorentlei e Goldcar.

Trem (ou comboio) - Pra se sentir realmente na Europa, viaje de trem. Os trechos curtos, para cidade próximas, são geralmente baratos. Os trechos longos, para cidades mais afastadas, são um pouco caros se comparados com que o que se pode gastar alugando um carro (isso fora de temporada). De qualquer forma, se você prefere não dirigir, é perfeito. Os trens são super confortáveis e rápidos e como, pra nós, brasileiros, essa é uma experiência pouco comum, eu super recomendo.

Teletransporte - É o melhor meio de locomoção de todos os tempos, mas como ainda não divulgaram sua invenção, para que possamos usufruir, fico eu aqui morrendo de saudades dos meus amores e esperando que eles possam chegar até aqui de avião mesmo.

6 comentários:

  1. a ideia do Lê sobre as plaquinhas eletrônicas do ponto de onibus é muito mais inteligente que a minha. em londres eu pensava que os onibus eram extremamente pontuais, por isso eles podiam dizer a hora que ele ia chegar... hahaha(se bem que não duvido nada!)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. hahahaha achei q faz sentido o q ele pensou, Julia! Aqui, a gente percebe que quando atrasa o tempo muda, é atualizado, então deve ter alguma coisa tecnológica por trás disso sim. Mas em se tratando de Londres, eu acredito que nem precisa de GPS mesmo, de tanto q eles são pontuais, né!

      Excluir
  2. Esse placar do ônibus é muito prático neh. Assim q gente não precisa perguntar pra quem esta no ponto se o onibus numero tal passou a muito tempo ou não....

    ResponderExcluir
  3. Eu queria um teletransporte agora!!!! Saudades!!!!

    ResponderExcluir